Os desafios da igreja no Brasil – I

Caros irmãos!

 

    “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos”

Mt 24:11

    Ainda que esse acontecimento tenha sido previsto há quase dois milênios, é com um misto de tristeza e apreensão que observo como os lobos vestidos de pastores estão aumentando em número e em poder, sem sequer serem confrontados pela própria igreja. Usa-se o discurso de que “em ungido não se mexe” talvez se referindo à “Não toqueis os meus ungidos, e aos meus profetas não façais mal.”1 Cr 16:22, ou outros versículos até mais conhecidos, como os que aparecem em 1 Sm 24. Esquece-se que estamos sob a nova aliança: “Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.” Lc 22:20, também demonstrado em todo o capítulo oitavo da carta aos Hebreus; que não estamos mais sob a lei mosaica e que o conceito de “ungido” se aplica agora a todo o cristão, conforme 1 Jo 2, diferentemente do conceito veterotestamentário.

   Quanto aos falsos profetas, falsos doutores e outros “sepulcros caiados”, creio que seus atos deturpados devam ser expostos, denunciados e combatidos. Cristo fez isso. Paulo fez isso. E Paulo disse que devemos ser imitadores dele como ele foi de Cristo, 1 Co 11. 

    Alguns problemas, entretanto, tornam muito difícil esse posicionamento por parte da grande maioria dos “evangélicos”, sendo talvez o analfabetismo funcional  um dos principais. Note que esse problema é endêmico da sociedade brasileira, a ponto de ter lido há pouco tempo um texto do professor Pasquale (fonte:http://www1.folha.uol.com.br/colunas/pasquale/2014/03/1428095-o-brasil-a-rotatoria-e-os-analfabetismos.shtml) onde é citado que apenas 24% dos brasileiros conseguem ler e interpretar textos simples. Essa assombrosa afirmação pode ser em parte comprovada ao se constatar o descaso com a língua portuguesa presente na maioria das pregações, textos publicados, comentários em sites e redes sociais na internet, etc. Curiosamente, as defesas mais irracionais, belicistas e truculentas desses lobos-pastores são as que apresentam os erros mais crassos de português… Coincidência? Complicando ainda mais a situação, dada que a tradução mais tradicional da Bíblia para português, a Almeida Corrigida e Revisada Fiel, faz uso de uma forma mais culta da língua, como esperar a correta interpretação do texto bíblico? Como esperar que a pregação não esteja equivocada? Como esperar que um analfabeto funcional (lembre-se: 76% da população brasileira…) tenha recursos linguísticos e intelectuais suficientes para não cair nas presepadas, profetadas e nos engodos? Vejo que a luta para alfabetizar corretamente o povo brasileiro, o povo evangélico incluso, será uma das mais difíceis e importantes que temos pela frente, pois quem engana, ilude e escraviza, não quer que se tenha acesso à educação de qualidade, nem quer que seu gado rebanho desenvolva o pensamento crítico e pesquisador presente na longínqua igreja bereiana.  E, não por acaso, me veio à mente o produto de Miguel de Cervantes: Dom Quixote de La Mancha em sua luta eterna contra os Moinhos de Vento Gigantes… Os textos a serem publicados nesse Blog pretendem, entre tantas coisas, versar sobre esses e outros grandes problemas que afligem a igreja atual, estudando alternativas e propondo ações que alterem, ou pelo menos minimizem, o impacto nefasto que esses falsos mestres produzem em nossa sociedade.  Que Deus nos abençoe a todos, conforme Sua vontade.